Aumento no número de mortes em confronto com a polícia preocupa especialistas: ‘Guerra sem fim’

Extremos: de um lado, há uma queda contínua de homicídios dolosos, roubos de veículos e latrocínios e, de outro, um novo recorde de mortes em confrontos com a polícia Foto: Fabiano Rocha / 22-11-2018 / Agência O Globo

Números do Instituto de Segurança Pública (ISP) indicam aumento. Dados apontam também para queda contínua de homicídios dolosos, roubos de veículos e latrocínios

RIO — A pouco mais de um mês para o fim do ano, os números da política de combate à violência do governador Wilson Witzel deixam o Rio entre extremos. As estatísticas divulgadas nesta segunda-feira pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram, de um lado, uma queda contínua de homicídios dolosos, roubos de veículos e latrocínios e, de outro, um novo recorde de mortes em confrontos. Num dia de operações na Cidade de Deus e no Complexo da Maré — com três óbitos —, o ISP anunciou que, entre janeiro e outubro deste ano, houve 1.546 casos de pessoas mortas em trocas de tiros com a polícia, o que dá cinco ocorrências deste tipo por dia. O número é o mais alto registrado em todos os anos desde 1998, início da série histórica no estado.

Num outro recorte, as mortes em confrontos também disparam: foram 13% de casos a mais em outubro deste ano, em comparação com o mesmo mês de 2018. Ao divulgar os dados, o governo estadual destacou, no entanto, que o indicador, alvo de críticas de especialistas contra a alta letalidade da polícia, tem caído nos últimos três meses. Em relação a setembro, a queda foi de 6%.

Para o cientista político Pablo Nunes, coordenador de pesquisas da Rede de Observatórios da Segurança, o número menor de homicídios está relacionado a uma tendência nacional de queda desse tipo de crime, e não pode ser atribuído à política de governo.

— Em anos anteriores, uma série de conflitos entre facções acabou levando a uma alta muito grande das estatísticas de homicídios. Estamos em um momento mais calmo — analisa Nunes, acrescentando que as mortes em confrontos também sofrem influência do discurso de Witzel. — O governador diz que tolera a letalidade. Criou-se então um ambiente em que policiais se sentem menos pressionados a evitar confrontos.

O antropólogo e especialista em segurança pública Paulo Storani, ex-oficial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM acredita que algumas regiões precisam de uma atuação mais ostensiva da polícia:

— Quem está morrendo hoje é o criminoso, mas não vai adiantar só isso. Caso contrário, em oito, dez anos, teremos jovens entrando para o crime da mesma forma que acontece hoje. Além disso, a política de confronto aumenta a possibilidade de erro policial. Precisamos diminuir o risco de inocentes serem baleados.

— São opções de uma guerra sem fim porque apostamos em ações a curto prazo para um problema complexo. Precisamos diminuir o risco de inocentes se ferirem. O policial atua em comunidades muito povoadas e se não estiver em sua plenitude, não tem condições de tomar a melhor decisão — acrescenta.

Nunes concorda com a avaliação do ex-comandante do Bope:

— O nível de adoecimento mental dos PMs é grande e a exposição constate de violência letal é o principal motivo. Não é bom para ninguém, não é um motivo de orgulho e não produz frutos benéficos para a corporação.

Números do Estado

No outro extremo, os homicídios dolosos no estado tiveram uma redução de 21% nos dez primeiros meses de 2019, na comparação com o mesmo período de 2018. Foram 3.342 vítimas este ano, contra 4.226 no anterior. É o menor número registrado desde 1991, quando os dados começaram a ser coletados. Na comparação entre outubro deste ano e do ano passado, a queda também foi acentuada: 17%.

Os latrocínios — roubos seguidos de morte — também vêm caindo. Nos dez primeiros meses do ano, houve 91 ocorrências, 36% a menos do que em 2018. O índice é o menor desde 1991.

Os roubos de veículos diminuíram 29% na comparação entre outubro deste ano e o mesmo mês de 2018. Foram 3.027 casos no mês passado. No acumulado do ano, o recuo é de 24%, o menor percentual desde 2017. Os roubos de rua (a transeunte, em coletivo e de celular) caíram 15% em relação a outubro de 2019, com 1.344 casos a menos. A queda cumulativa em 2019 é de 6%. Os roubos de cargas, um dos focos da política de segurança de Witzel, voltaram a cair em outubro, quando o número ficou 11% abaixo do registrado no mesmo mês em 2018. Ao longo do ano, a redução foi de 18%, ou 1.344 casos a menos. No município do Rio, a maior diminuição foi constatada nas regiões de Olaria e adjacências e de Irajá e bairros vizinhos.

Por outro lado, há estatísticas de crimes que têm crescido. Os casos de roubos em ônibus totalizam o maior número de janeiro a outubro desde 1991. Os roubos de celulares também bateram recorde, com os maiores índices registrados desde 2001 (início da série histórica para esse indicador).

Até outubro, as polícias Civil e Militar apreenderam 7.215 armas de fogo, o que dá uma média de 24 retiradas das ruas diariamente. Desse total, 468 foram fuzis, o que totaliza mais de uma arma desse tipo recolhida por dia. O total apreendido em 2019 é o maior dos últimos 12 anos.

Witzel comemora

Pelas redes sociais, Witzel afirmou que a política de segurança de seu governo tem mostrado, “mês após mês, que está no caminho certo”: “Muitas vidas foram salvas pela atuação das nossas forças de segurança. Sempre acreditei que, ao dar autonomia e recursos às polícias, os resultados iam surgir. É assim que vamos seguir”. Ele comemorou a queda de índices importantes, mas não se pronunciou sobre o aumento das mortes em confrontos.

As mortes por intervenções policiais tiveram alta em áreas de 46 delegacias — as chamadas Circunscrições Integradas de Segurança Pública (Cisps). Os maiores aumentos foram na área da 151ª DP (Nova Friburgo), que passou de um caso, entre janeiro e outubro de 2018, para cinco, este ano. Na região da 19ª DP (Tijuca), subiram de quatro para 20, e, na área da 33ª DP (Realengo), de sete para 34.
 

Visualizar matéria

versao para impressão

Mais Participações